Avatar

Falência múltipla


Nosso poder judiciário está falido.
Hoje a lei não vale mais nada. Cada juiz interpreta a lei como lhe convém, julga de acordo com o que lhe dá na “telha”dependendo de como está seu humor, quais são suas crenças pessoais e seus pontos de vista.
O mundo mudou, mas  o Judiciário não. Continua afundando cada vez mais.
A justiça nunca existiu, nunca existirá. 
Século após século, milênio após milênio, clamamos por justiça.
Reis, presidentes, governadores, parlamentares, todos prometem justiça ao povo, porém, a injustiça no mundo cresce galopantemente.
Enquanto o povo torna-se refém de um sistema de justiça falido, existe quem faça ressurgir a ideia de um novo referendo sobre o desarmamento.
Mais um gasto exorbitante de recursos públicos para fazer uma consulta popular sobre um tema já debatido socialmente. 
É o cúmulo. Afinal, de 2005 para cá, nada justifica a necessidade de nova consulta.
Então, que venha o novo referendo pelo desarmamento.
Votarei NÃO, como da primeira vez, e quantas forem necessárias.
Sim, sou totalmente pelo NÃO, até que o Governo Federal, Estadual e Municipal, cada qual em sua competência, revoguem as leis que protegem bandidos, invistam nos sistemas penitenciários, impeçam a entrada ilegal de armas no País e entendam de uma vez por todas que NÃO lhes cabe desarmar cidadãos de bem.
E aproveitando o tal novo referendo, se este chegar a se consumar, poderíamos inserir algumas outras questões bem mais interessantes:

• Voto facultativo? SIM!
• Apenas 2 Senadores por Estado? SIM!
• Redução para um terço o número atual de Deputados Federais, Estaduais e Vereadores? SIM!
• Acesso a cargos públicos exclusivamente por concurso? SIM!
• Redução do número de ministérios, de 37 para 12? SIM!
• Fidelidade partidária absoluta? SIM!

• Férias de apenas 30 dias para todos os políticos e juízes? SIM!

• Ampliação do Ficha-limpa? SIM!
• Fim de todas as mordomias de integrantes dos três poderes, nas três esferas? SIM!
• Cadeia imediata para quem desviar dinheiro público (elevando-se para a categoria de crime hediondo)? SIM!
• Atualização do código penal e de processo penal? SIM!
• Redução dos 20.000 funcionários do Congresso para um quinto? SIM!
• Horário Eleitoral obrigatório? NÃO!
• Maioridade penal aos 16 anos? SIM!

O Brasil necessita olhar para si mesmo, para sua realidade geográfica, social e econômica.
Precisamos alterar nossa mentalidade, assumir posturas adequadas, modificar nossos maus costumes, substituir a cultura do jeitinho pela retidão e seriedade. 
Isso é possível!
Vamos tornar justa a nossa justiça!

Avatar

Lutando por Justiça

Esta já era uma tragédia praticamente anunciada: 
Manifestações vão questionar correção da prova de redação do Enem 2012.
Depois do absurdo das questões das provas objetivas do Enem 2012, questionar a redação era fato consumado.
Começando pelo tema: Movimento imigratório para o Brasil no século 21. Vejam bem, século 21! Nada de japoneses, italianos ou outros imigrantes europeus que fundaram colônias e cidades no século passado. Nada de visitar a história da imigração estrangeira. Não, não. Aliás tenho até curiosidade de saber como essa temática foi escolhida pelos elaboradores da prova, tendo em vista a vastidão de temas muito mais coerentes a terem sido abordados: Rio +20, Mensalão, Crise Econômica, Novos rumos do Mercosul, Problemas sociais, aumento dos índices de violência urbana...
Tudo bem em abordar temas atuais, nada mais normal não fosse pelo histórico anterior dos temas cobrados, tais como: Viver e aprender, Cidadania e participação social, O direito de votar, O poder de transformação da leitura, O trabalho na construção da dignidade humana e Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado.
Não foi honesto "puxar o tapete" dos estudantes com uma mudança de foco tão radical. Tá bom, a vida nem sempre é honesta, ou melhor, as pessoas nem sempre são. Mas é chocante ver atitude tão aviltante.
Uma coisa é certa: a sociedade não pode ficar sentada, de braços cruzados, assistindo tudo passivamente e reproduzindo  máximas como: "Isso não me atinge, por que me incomodar?" 
Atinge sim! Ledo engano dos que pensam o contrário. São justamente atitudes como estas  que nos mostram em que tipo de democracia (se é que podemos chamar assim) vivemos.
Ninguém questionou o proselitismo político impregnado nas provas do Enem. 
Ninguém questionou sua elaboração, concepção e aplicação.
Todos o aceitamos como um pacote fechado!
Toma aqui e é isso mesmo.
Sinto-me orgulhosa de ver jovens articulando-se para protestar contra essa barbaridade.
Nesta quarta-feira, milhares de estudantes insatisfeitos com a correção da redação do Enem 2012, ganharam as ruas, realizando uma série de manifestações.
Desde a divulgação das notas na última sexta-feira as queixas se espalham pelas redes sociais, que digam-se passagem tem-se mostrado uma ferramenta fundamental de compartilhamento de informações.
No Facebook, a comunidade "Ação judicial - redação Enem 2012", que já reúne quase 26.000 pessoas, propõe uma agenda de atos públicos que deve ter início hoje às 14h, em 13 capitais, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Fortaleza.
Além das reuniões, os manifestantes preparam um abaixo-assinado virtual para alimentar uma ação judicial pedindo que o Ministério da Educação (MEC) libere o acesso à correção da redação antes do início das inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que começam na próxima segunda-feira. Com a correção em mãos, os estudantes querem questionar na Justiça os critérios adotados pelo ministério.
Totalmente democrático!
Sim!
Todos eles tem o direito de ter acesso a suas provas.
Para quem tá por fora do assunto, o sistema funciona assim: o acesso à correção da prova de redação só será liberado no dia 6 de fevereiro!
É isso mesmo!! Depois de já terem se esgotado todos os prazos para a entrada em universidades federais, quiçá estaduais.
Porém ter acesso às provas é só o primeiro obstáculo.
O pior vem depois: não será possível contestar a nota atribuída pelos avaliadores. 
Sabe por que? 
O acesso, segundo o MEC, tem caráter exclusivamente pedagógico.
Só pode ser piada.
A prova de redação é uma das notas mais valiosas na hora da disputa de uma das vagas do Sisu, sistema que escolhe os candidatos para as instituições públicas de nível superior. Além disso, o estudante que teve nota igual a zero na dissertação está impossibilitado de se inscrever no sistema e também está de fora da disputa por uma bolsa do Programa Universidade Para Todos (ProUni). 
Após diversas reclamações em 2011(agora já dá para entender mais ou menos porquê), o MEC anunciou mudanças nos critérios de correção da redação do Enem 2012.
Os resultados dessas "mudanças" nem eu, nem quem fez a prova entendeu.
As alterações são bem-vindas quando trazem atreladas pontos positivos, evolução.
A avaliação feita pelo Enem carece urgentemente de critérios mais claros, exigências mais coerentes e fundamentalmente buscar apoiar-se menos em parâmetros morais.
Não se pode mensurar moralidade em uma prova de cunho intelectual.
Uma dissertação deve marcar-se por seu tom impessoal, imparcial, argumentar sem tomar partido.
A redação do Enem está conduzindo professores e alunos para um novo tipo de elaboração de texto. 
Alunos apavorados com a tão temida "Fuga do Tema", desesperados com a exigência de apresentação de solução para o problema levantado, em pânico com o rigor a estruturação do texto.
Para que?
É uma pergunta que todos devem se fazer.
Já questionei aqui, em outra postagem os critérios do Enem. Click aqui e leia.
E reafirmo minha posição: O Enem está muito longe de ser um mecanismo que reflita a realidade da educação brasileira.
Vamos dar as mãos aos jovens que estão nessa luta.
Vamos incentivá-los a lutar e cobrar das autoridades um Brasil melhor.
Eles são nosso futuro.
E o futuro não pode ser massacrado e pisoteado antes mesmo de ter a chance de acontecer.

Avatar

Au revoir 2012

Enfim mais um ano se vai...

Espera!
Vamos deixar essa máxima de lado.
Cadê o saudosismo de 2012?
Sim, saudades!
É afinal, como diz o ditado: Não há bem que seja eterno, nem mal que nunca se acabe.
e 2012 não poderia ser diferente. Somos humanos e por natureza dualista.
Então aí vai...
2012 foi um ano diferente: Já começou causando estardalhaço, pois segundo os Maias ou quem quer que seja que tenha interpretado suas profecias (não me pergunte nem como, nem porquê) o mundo acabaria em 21/12/2012.
Bom, se você está lendo isso agora é prova de que nada acabou.
Não bastasse um começo tão "auspicioso", ainda houve os entraves do percurso.
Ihh! Poderia ficar horas falando sobre a crise econômica, a confusão na política nacional e mundial, o mensalão, Operação Porto Seguro, Rio +20 (que, diga-se de passagem, poderia ser chamada de Rio -20), guerras e tragédias naturais.
Mas não sou tão doida assim... Tudo isso já foi comentado no seu devido tempo.
Não, Não.
Falar em 2012 deve ser peculiar a cada um.
É verdade!
Um ano que pode ter sido maravilhoso para uns, também pode ter sido catastrófico para outros.
Então, no melhor estilo "Barbara de ser", vou batizar 2012 com uma única palavra: Reencontro!
Nessa louca Brain Storm chamada vida, esta é a palavra.
Foram momentos mágicos.

2012 me trouxe parte da minha turma de Afonso de Carvalho. Juro!
Encontros memoráveis com Manu, Bea, Popó, Paulinho, Ettimara... ah e Marília (tá, esse foi na Loja americana mas tá valendo!)
Passamos anos de conversas perdidas em noites hilárias, com direito a pilequinho e fotos (antigas claro!).
São momentos como estes que nos trazem à mente reflexões há muito guardadas, sobre a como a vida nos leva a trilhar caminhos distintos.
Nem acreditei quando encontrei Raquel e seu amado André na L. da Travessa!! Bastaram 30 minutos de papo para atualizar anos e anos!!! Maravilhoso reencontro. Ahh, quanto a sua pergunta Raquel, não sei o que tem na água de Ilhéus... ahahahaha
Ah, também recebi visitas inestimáveis: Carol, Hérica, Bonnie e Marianna.
Hum... e ainda teve duas cerejas no topo do bolo: Verena morando no Brasil e Yasmin em longas férias por aqui!
Bom, depois de tudo você deve estar se perguntando: 2012 foram só flores?
Não, afinal todo mundo tem seus maus momentos.
2012 também levou pessoas amadas. A mais importante foi minha avó Glória. Um ser humano ímpar em sua simplicidade e sabedoria.
Mas se o ano trouxe tristezas, também veio com novos projetos, novos planos, novos sonhos. Espalhou ao longo de seus meses esperança, embalada em ares de mudança.
2012 também me levou 6 quilos! Ah que maravilha! Disso eu nem sonhos reclamar! Aliás, isto eu desejo a todos que pensam em afinar a silhueta.

Oh... 2012 também colocou um ponto final em Gossip Girl. Ah, eu tinha que falar sobre isso. Estou anestesiada com o episódio final até agora.
OMFG.
Para vocês que não viram, vejam! Não vou contar...
Fico a me perguntar o que será da minha TV sem Blair e Chuck.
Paciência!
E por falar nela, devo mencionar também que a exercitei muito em 2012. Especialmente quando lutava ferozmente com meus desejos que esganar aquelas pessoas chatíssimas.
Por que é mesmo que a gente ainda se dá com gente chata?
Um verdadeiro mistério.
Escrevo estas linhas no rastrinho final de 2012. Isso dia 31 de dezembro.
Depois de tanta coisa, me resta desejar a todos vocês amados amigos e amigas um mágico 2013.
Que o ano que se aproxima traga muitos sonhos realizados, viagens fantásticas, um guarda-roupas pra lá de fashion, alegrias, aventuras e muita, muita felicidade.
Amo todos vocês!
Beijos e até 2013.

Related Posts with Thumbnails
 
©2007 '' Por Elke di Barros