Avatar

Quanto vale o Amor?

Li em algum lugar que o verdadeiro motivo de encontrarmos reproduções das telas de Monet em tantos consultórios médicos e odontológicos, é que elas teriam um efeito calmante sobre os pacientes.

Muito interessante essas associações entre arte, sensações e emoções.

Ao olhar uma tela ou uma escultura é automática a associação e interpretação. Coisas muito subjetivas e, totalmente, dependente de diversos fatores como: cultura, momento histórico, nível sócio-econômico, e por aí vai.

Especialistas e mais especialistas se desdobram na investigação da máquina mais perfeita de todas: O Cérebro. Buscam incansavelmente explicações científicas para o que sentimos. Tentam constituir o que, amadoramente, chamo de Racionalização do Sentimento.

E falando nisso, não posso deixar de comentar a entrevista do psicólogo americano Jerome Kagan, publicada da Revista Veja n° 2150, do dia 30/01/2010.

Estava lá, animada em minha leitura, quando me deparei com um trecho bastante controverso:

Jornalista: O Amor de mãe é condição necessária para a saúde mental da criança no futuro?

Jerome Kagan: É conversa fiada. As crianças tomam consciência de si mesmas por volta dos 2 anos de idade. Quando isso acontece, a criança, para crescer mentalmente saudável, precisa acreditar que pelo menos um dos pais a valoriza. Pode ser a mãe ou o pai, não necessariamente a mãe. Observe: eu usei o verbo valorizar, não o verbo amar.



Pode parar!!!

Aliás, para tudo!!!

Como é?

OMFG!!!

De onde saiu isso?

De um especialista!!!!

Tudo bem, vamos respeitar a questão dos costumes.

Mas falar de amor como se fosse algo totalmente descartável e supérfluo é no mínimo prova de que não foi amado ou nunca se sentiu assim.

O que é isso?

Mais importante é ser valorizado do que amado?

Em minha singela existência nunca vi ninguém valorizar nada que não gostasse, não amasse.

Há uma grande dicotomia quando se diz que um filho não precisa ser amado e sim, valorizado.

Tenho absoluta certeza de que as mães do meu Brasil que amam seus filhos, os valorizam dos fios do cabelo aos dedos dos pés.

Pode até ser que as palavras do especialista tenham ferido o meu orgulho de mãe mas, vamos por os pingos nos IS.

O amor, independentemente, de ser filial, materno, conjugal ou fraternal, não pode ser suplantado como uma barata esmagada pelo rolo compressor da massificação de caráter, amplamente propagada pelo cultivo dos valores capitalistas.

Eis aqui o ponto chave. Foi a justa propagação de parâmetros “politicamente corretos” de comportamento e relações sociais que fundamentou a sociedade do TER, estabelecendo bases e pilares necessários à expansão capitalista.

Como resultado vemos as chocantes notícias de pais que matam filhos, filhos que assassinam pais, gente que em um “dia de fúria” é capaz de exterminar toda a família.

E por quê?

Porque não se sentiram valorizados?

Não!!!

Naturalmente, especulando, tais ocorrências decorrem realmente da implantação dos valores monetários: pais que impelem filhos a sempre visarem o lado financeiro, em detrimento a outros aspectos da vida. Incutem na criança a ideias de que brinquedo caro é brinquedo bom, roupas e sapatos devem ser de marca e que Deus os livre de terem que pegar um ônibus.

Bom, depois dessa lavagem cerebral, o que os pequenos podem concluir?

Apenas que o dinheiro é o que move o mundo. Para ser alguém é preciso TER dinheiro.

Neste redemoinho financeiro, o caráter, os valores morais e, principalmente, o amor, tornam-se fumaça.

Voltamos à questão do amor e da valorização.

Agora, depois desse singelo apanhado, será mesmo que valorizar o filho é suficiente para a formação emocional e moral dele?

Of course not!

Sabe, como disse sabiamente Roberta Paiva, minha amiga e colunista da Editoria Maternidade-Família daqui do Ideias:


"Enfim, acredito que a escolha de se ter um filho tem tudo a ver com a certeza de se querer criar um filho."


E como podemos acertar a medida?

Isso não possui receita pronta. Os ingredientes variam mas, com toda certeza um não pode faltar:



Amor


p.s. Aproveito para agradecer a todos os leitores e seguidores do Blog, pois completamos hoje 100 posts.

Valeu pessoal!!!!

Related Posts with Thumbnails
 
©2007 '' Por Elke di Barros