Avatar

Cinema e TV

Apartment 23



Se você gosta de seriados americanos tem que assistir esse!
Don't Trust the B---- in Apartment 23 (também conhecida como Apartment 23) é uma série de televisão americana e estreou em 11 de abril de 2012 no canal ABC.

Aqui no Brasil a série é transmitida no canal Fox.

A nova comédia retrata a vida de June, que sai de Indiana para morar em Nova York após ter sido promovida no trabalho. A vida parece ir bem: com um casamento agendado, um novo apartamento e com tudo pago em NY, June ainda vai completar 26 anos mas já se orgulha por ter alcançado a vida que deseja. Porém, as coisas começam a mudar quando os bens da empresa que ela trabalhava são bloqueados pelo governo.
É aí que June simplesmente perde tudo aquilo que havia conquistado. De uma hora para outra, ela se vê desempregada e sem lugar para morar. É então que ela resolve seguir um anúncio no jornal e conhece Chloe, sua nova colega de quarto. June só não contava que a nova amiga fosse louca e que deseja mostrar a “verdadeira” Nova York para uma mulher que veio do interior. 
A lógica de Apartment 23 fica interessante quando surge o ator James van der Beek (o eterno Dawson de Dawson’s Creek) interpretando ele mesmo. Em uma ótima sacada da série, o episódio se torna ainda mais solto por trazê-lo completamente despreocupado e sem se importar em interpretar alguém parecido com ele próprio. James é o ex-namorado de Chloe, mas que ainda são amigos mesmo depois do término. 

O primeiro episódio da série é certeiro em muitos momentos, tanto na rapidez com que desenvolve as tramas quanto na cena em que June se vinga de Chloe ao vender os pertences dela – o que prova, por exemplo, de que a “b—-” não terá tanta moleza como pensava. Além disso, o “Piloto” também é ágil e crítico ao mesmo tempo, quando mostra o que aconteceu com muitos americanos que perderam o emprego por conta da crise econômica que assolou o país. 
June pode ter algo a aprender com Chloe, assim como ela também pode aprender alguma coisa convivendo com a nova colega de quarto. Ambas são mulheres diferentes e com visões distintas sobre o que é certo ou errado. E assim a série deixou uma boa impressão do quanto poderá ser divertido acompanhar as aventuras de cada uma delas. 
No elenco estão:



Krysten Ritter como Chloe 
Dreama Walker como June 
James Van Der Beek como ele mesmo 
Eric Andre como Mark 
Michael Blaiklock como Eli

Porém, temos que reconhecer que Kryten Ritter (Carol Rhodes de Gossip Girl) rouba totalmente a cena totalmente. Suas participações são as mais engraçadas. 
A série foi originalmente intitulada You Can't Trust the Bitch in Apartment 23 (agora você já entendeu porque acabou abreviada para Apartament 23) e foi desenvolvida na Fox como uma série de outono em 2009, mas acabou sendo cancelada. Em fevereiro e março de 2011, Dreama Walker, Krysten Ritter, e James Van Der Beek foram escalados para a série. Em 13 de maio de 2011, ABC pegou o projeto para série com o título abreviado para Apartament 23. 
A segunda temporada estreou nos Estados Unidos em 23 de outubro de 2012.
Não percam!







Barrados no Baile...



Se você foi adolescente nos anos 90 com toda a certeza assistiu pelo menos um episódio de Beverly Hills 90210 (chamado carinhosamente no Brasil de Barrados no Baile). A Rede Globo exibia um episódio por semana. A série era sucesso de audiência. Um seriado que unia os dilemas da adolescência a um elenco repleto de beldades.

A história do seriado começa com a mudança da família Walsh da pacata Minessota para a badalada Beverly Hills, mostrando as experiências, dificuldades e realizações dos gêmeos Brandon e Brenda.

Dos tempos do colégio West Beverly até a graduação na universidade, vivenciamos as histórias dos Walsh e seus melhores amigos: Kelly, Steve, Dylan, Andrea, David e Donna. Enquanto seguem caminhos diferentes e conhecem novas pessoas na descoberta do mundo, eles mantêm sempre fortes os laços de amizade e companheirismo.
Barrados no Baile é um verdadeiro marco na história das séries de televisão que atingiu com perfeição o seu principal público, os adolescentes, com uma concepção rebelde e inovadora.
A fórmula de Aaron Spelling é freqüentemente copiada, mas nunca outro programa conseguiu se igualar a Barrados no Baile (Beverly Hills 90210) que ficou dez anos no ar e invadiu milhares de casas.
A série já foi vista em mais de 100 países e tem uma estimativa de 200 milhões de fãs em todo mundo.
Mas depois de tanto sucesso por onde será que andam nossos queridinhos de Barrados no Baile?
Ideias de Barbara fez uma pesquisinha e trouxe respostas em primeira mão!
Confira!


Brandon Walsh, vivido por Jason Priestley, completou 43 anos nesta terça-feira, dia 28 de agosto. O irmão gêmeo de Brenda Walsh está filmando o longa-metragem Snap, com estreia prevista apenas para 2013. Aliás, agora ele é um homem casado, Jason e Naomi Lowde-Priestley têm dois filhos, e o casamento dos dois contou com a presença de Jennie Garth, Tori Spelling, Tiffani Thiessen e Ian Ziering, todos ex-Barrados no Baile.



Shannen Doherty interpretava a irmã gêmea do galã, Brenda Walsh. A atriz, no entanto, deixou a série em sua quarta temporada por supostos problemas com os colegas. Na época ela ganhava 17 mil e 500 dólares por episódio, algo em torno de 32 mil reais. Aos 40 anos, ela está casada e no elenco do filme para TV Gretl: Witch Hunter e, assim como Jennie, participou da nova versão de 90210.



O grande amor de Brenda, por sua vez, era Dylan McKay, o Luke Perry, que em breve estreia no filme para TVGoodnight for Justice: Queen of Hearts. Divorciado desde 2003 e com dois filhos, Luke, com 46 anos agora, inicialmente fez teste para viver Steve, e não Dylan, o personagem que lhe rendeu sexto lugar na lista dos 25 Ídolos Teens do TV Guide.



Jennie Garth, que interpretou Kelly Taylor em Barrados no Baile durante dez anos, está com 40 anos. Sua personagem, aliás, ainda mereceu destaque em suas séries derivadas da atração, como Melrose Place e a nova versão de 90210. Por incrível que pareça, na vida real ela é amiga próxima de Tiffani Thiessen, a Valerie. Mãe de três filhos, ela acaba de se separar do astro de Crepúsculo Peter Facinelli (o Carlisle) e participou do filme para TV Village People.



Ian Ziering, no entanto, foi quem ganhou o papel de Steve Sanders e, assim como Jennie, permaneceu no elenco da série em seus 292 episódios. Seu último trabalho foi o filme The Legend of Awesomest Maximus . O ator é casado com Erin Kristine Ludwig, com quem tem um filho.



Tori Spelling, filha do criador da série Aaron Spelling, também permaneceu no elenco durante os dez anos da produção. Donna Martin, aliás, reapareceu na nova versão de 90210 como Kelly e Brenda. A personagem rendeu destaque para atriz na lista doVH1, 100 Greatest Teen Stars, em 23º lugar. Casada com Dean McDermott, com quem estrela um reality show, ela está em sua quarta gravidez aos 38 anos.



Hoje com 39 anos, Brian Austin Green, por sua vez, viveu o namorado e, no último capítulo, marido de Donna, David Silver. Recentemente, o ator, que está casado com Megan Fox, participou de outra série, Desperate Housewives.




Tiffani Thiessen, atualmente no elenco de Crimes do Colarinho Branco, está com 38 anos. Ela entrou em Barrados no Baile quatro anos após a estreia, quando Shannen deixou o elenco, fazendo a personagem Valerie Malone. Assim como Tori ela ganhou destaque na lista 100 Greatest Teen Stars em 43º lugar. A atriz morou durante alguns anos com o colega de elenco, Brian Austin Green, e hoje é casada com Brady Smith e tem um filho.



Durante dez anos Gabrielle Carteris viveu Andrea Zuckerman, apaixonada por Brandon. Aos 51 anos, seu último trabalho na TV foi o filme 12 Wishes of Christmas. Ela está casada com Charles Isaac e é mãe de duas crianças.








Atores de Hollywood viram personagens da Disney

Já pensou em ver os astros de Hollywood nas clássicas animações da Disney?
A artista Annie Leibovitz criou imagens que mesclam a realidade dos famosos com o mundo da fantasia para a série Disney Dream Portrait (Retratos de Sonhos da Disney, com tradução livre para o português).
Atores como Olivia Wilde, Russell Brand, Will Ferrell, Jack Black e Alec Baldwin foram transformados em personagens da Disney em momentos clássicos, que também podem ser conferidos nas atrações dos parques da Disney World, como você pode ver abaixo:



Queen Latifah como Ursula, de Pequena Sereia


Penelope Cruz e Jeff Bridges como Bela e o príncipe, de A Bela e a Fera



Olivia Wilde e Alec Baldwin como Rainha Má e Espelho Mágico, de Branca de Neve e os Sete Anões



Russell Brand como Capitão Gancho, de Peter Pan



Jack Black, Will Ferrell e Jason Segel como Phineas, Ezra e Gus, de Casa Assombrada













Dica Imperdível



Essa dica vai para todo mundo que já se cansou, se estressou e arrancou os cabelos procurando filmes brasileiros na internet.


Achamos a solução dos nossos problemas.
Onde?
No Youtube!
Click aqui
E confira a lista de filmes completos para você assistir on line!



Onde mora o coração


Intenso. Este é o melhor adjetivo para descrever o filme Onde mora o coração. Despretenciosamente sedutor, o filme conta a história de vida de uma jovem mãe solteira.

Novalee Nation (Natalie Portman), tem 17 anos, está grávida e nunca teve uma família de verdade. O mais próximo que já esteve de uma família foi com seu namorado egoísta, Willy Jack (Dylan Bruno), com que está viajando rumo a Califórnia.
É isso mesmo, dois jovens sem raízes ou referências em busca do velho clichê do sonho americano, mais precisamente, o El Dorado chamado Los Angeles. Mas enganam-se aqueles que pensam que a nossa pobre heroína já vive uma vida difícil. Sua jornada de intempéries ainda está apenas no começo.

Como uma Cinderela às avessas, Novalee perde um de seus sapatos durante a viagem aliás, diga-se de passagem de uma forma bem pitoresca: o carro tinha um buraco no piso, precisamente no lado do carona. Quando chegam em Oklahoma eles fazem uma parada para ir ao banheiro e comprar novas sandálias para a jovem, num gigantesco Wal-mart, incrustado no que parece ser o meio do nada.

Bom, se a vida da menina já estava conturbada agora é que o bicho vai pegar mesmo. Acreditando que o número cinco sempre traz azar e desgraças para sua vida, a mocinha é pega desprevenida pelo total de sua compra: U$ 5,55. É o inicio da sucessão de reverses que irá sofrer em sua jornada.
Desesperada, a jovem corre para o estacionamento, mas já era tarde: não encontra mais Willy, que havia se mandado.

Sozinha e sem dinheiro algum, Novalee passa a viver rondando a Wal-Mart, surrupiando comida e suprimentos de suas prateleiras, usando o banheiro para tomar banho na pia e dormir escondida.
As cenas iniciais do filme foram muito bem desenroladas, principalmente toda a parte do supermercado e a dor do abandono. Tudo tratado com ma delicadeza e realismo fantásticos!
Em busca de algo para fazer a garota descobre uma biblioteca e começa a ler. Aqui, senhoras e senhores, eis que surgirá o nosso príncipe encantado. À primeira vista, o bibliotecário, que se chama Forney Hull (interpretado por James Frain), tem uma irmã alcoólatra, que acaba morrendo no meio da trama, apaixona-se por Novalee.
Sempre esquivando-se das pessoas, Novalee adere a uma postura misteriosa, fruto de sua instabilidade emocional e desconfiança. Quando sua bolsa rompe no meio da noite, em pleno Wal-mart, o bibliotecário quebra a porta de vidro para salvar Novalee a leva-a até o hospital. Mãe e filha(que recebe o nome pitoresco de Americus) tornam-se celebridades instantâneas.
Atropelada por uma verdaeira avalanche de atenção promovida pela repercussão de sua história de vida, a pobre Novalee nem imagina o trem bala que vai passar por cima dela: sua própria mãe. Isso mesmo, a megera que havia abandonado a pobre menina, ressurge das trevas como a melhor e mais arrependida mãe do mundo. Ansiando por um lar, a jovem não vê as más intenções de sua mãe. Resultado perde todo o dinheiro que tinha ganho ao entregá-lo para a mãe.
Novamente na rua da amargura, nossa já sofrida heroína reencontra Thelma, uma gentil senhora religiosa, ex-alcoólatra, vivida pela fantástica Stockard Channing.
Agora, Novalee conhece novos amigos e passa a fazer parte de uma não-convencional família, que irá ajudá-la a se transformar de uma adolescente sem-teto para uma forte mulher de sucesso. Mas alto lá, ainda ocorrerão muitas complicações na vida da mocinha.
Enquanto isso, o pai de Americus, o famigerado Willy Jack, faz sucesso nas rádios usando um outro nome, mas no final acaba sendo atropelado por um trem e ficando sem seu fígado e as pernas. Como um enorme coração, Novalee o resgata do abandono no hospital e o leva para viver com ela e a filha. Um gesto de abnegação e solidariedade imensurável.Thelma e seu companheiro morrem após um furacão mas deixam uma fortuna para Novalee.
Outro personagem que merece destaque é a enfermeira Lexie Coop(interpretada por Ashley Judd). Mãe de muitos filhos, alguns com nome de doces como Pudim e Brownie, Lexie é o retrato da mulher madura sofrida, mas que persegue o sonho de encontrar um companheiro ideal. Sua história na trama tem seu clímax quando envolve-se, sem saber, com um pedófilo que tentará abusar de seus filhos.

Todos os dramas pessoais desenvolvidos durante o filme, são situações passíveis de acontecer com qualquer pessoa.
Ah, mas como ficou a parte do romance? Humm essa parte é tratada com um carinho todo especial pelos roteiristas e produtores do filme. Não é aquela história de amor, tipo feito um para o outro, como um conto de fadas tradicional. Não, não. A magia está no fato de que o emocional de Novalee sempre conduz sua vida, dando a narrativa um realismo totalmente verossímil.
Se Novalee e Forney terminaram juntos, eu não conto. Mas posso dizer que o final é fantástico.
A grande mensagem do filme fica evidente em uma das frases de um dialogo entre Novalee e Lexie:


“Nossa vida pode mudar a cada respirar.”

Onde Mora o coração não é apenas um filme.
É uma lição de vida.
Um filme para você assistir com toda a sua família.







Uma Garota Irresistível - Factory Girl


Na era das celebridades instantâneas, Factory Girl (Uma Garota Irresistível) surge para mostrar que a fama estratosférica não é uma novidade tão nova assim.
Edith Minturn “Edie” Sedgwick nasceu em abril de 1943. Nos revolucionários anos 60, esta garota californiana se tornou ícone da geração Pop Art, cujo maior expoente era o artista Andy Warhol. Com ele, a modelo entrou no cenário cinematográfico participando de filmes como “Ciao! Manhattan”, “Chelsea Girls”, “Poor Little Rich Girl”, “Beauty Nº 1″, “Beauty Nº 2″, chegando a ser reconhecida como a rainha do cinema underground.
Para aqueles que pensam que o título “It Girl” é uma criação da jovem escritora Cecily von Ziegesar, ledo engano. A primeira e única "It Girl" foi justamente Edie Sedgwick, sendo que a revista Vogue também a nomeou uma "Youthquaker"(terremoto jovem). Isto tudo em plena década de 60.
É justamente a história da modelo e atriz Edie Sedgwick que é contada em Uma garota irresistível. Com delicadeza e pitadas de incrível realismo, o expectador vê como sua vida foi profundamente alterada após conhecer Andy Warhol (interpretado no filme pelo ator Guy Pearce), o maior ícone das Artes Plásticas de Nova York, cuja residência se tornaria a meca das festas na Big Apple.
Bonita, chique e jovem, filha de tradicional e milionária família americana, Edie (interpretada no filme pela atriz Sienna Miller) fez - de 63 a 65 - a Factory (estúdio de Warhol, onde músicos, artistas e atores se encontram durante o dia para criar arte e à noite para se divertir) ser reconhecida por revistas como “Time” e “Vogue”. Envolvida num turbilhão de drogas (incluindo o famigerado coquetel injetável conhecido por speed), tráfico de influência e inversão de valores, a jovem mergulha de cabeça no frenético cotidiano dos conturbados anos 60.
Lançada em 2006, a história, que é baseada em fatos reais, é contada de forma lúdica, recheada de diálogos subjetivos e bem amarrados, estabelecendo o alto nível de reflexão quando toca em temas controversos como bulimia, anorexia, drogas, homossexualismo e abuso sexual de menores.
Além disso, a fotografia (que é simplesmente belíssima) anda o tempo todo de braços dados com uma edição primorosa, que entremeia cenas coloridas e em preto e branco. Fazendo com que a sensibilidade escorregue pela tela.
O resultado disso pode ser sentido pelo expectador no desenrolar do filme. Em 99 minutos vemos como um ser humano vítima de abuso sexual do pai e da anorexia, acabou dependente das drogas e como chegaria ao fim da vida, precocemente, aos 28 anos.
Edie veio de uma família rica, com presença na sociedade, mas que ocultava seus próprios “cadáveres”(homossexualismo, abuso sexual, drogas...) sob o tapete da sala de estar. Ainda jovem, passou parte da vida em Nova Iorque, onde morava no hotel Chelsea, ponto famoso do circuito cultural e musical da cidade. O Chelsea se tornaria referência para os anos 60 e 70, graças a vasta gama de artistas que circulavam no cultuado ponto de Manhattan.
Outro ponto bastante relevante é o tratamento dado ao relacionamento entre a jovem e o artista plástico Andy Warhol. As cenas entre os dois são sempre marcadas de por um Q de amizade e amor platônico, uma pureza singular.
Mas o homossexualismo de Andy, não permitiu que os laços entre ambos fossem além disso. Foi assim que Edie acabou se envolvendo afetivamente com o músico Danny Quinn (interpretado no filme pelo ator Hayden Christensen). Aproveitando a proximidade com Warhol, Edie lhe pede que dê uma ajuda a Danny. Quinn, que por sua vez, deseja que Edie se afaste do artista plático, acusando-o de usá-la em seus filmes sem lhe pagar algo. Este intrincado triângulo amoroso é o inicio do precipício. Abri-se assim um fenda profunda no relacionamento entre Edie e Andy, que aos poucos acabam se distanciando de uma vez.
Começa o declínio e a decadência da vida de Edie. Alimentado pelo sentimento de perda e por um ciúmes atroz, Andy Warhol substitui sua musa. O resultado disso: Edie passa a ser considerada cada vez mais uma carta fora do baralho, seja no mundo da moda, seja no meio artístico. Agências de modelos, empresários, amigos, todos viram as costas à ela. Após o rompimento do romance com Danny Queen (que pasmem, faz algo inimaginável à moça), a modelo entrou em uma profunda depressão e morreu de overdose de heroína, em 1971, aos 28 anos.
Como todo este dramático enredo, as atuações de Sienna Miller e Guy Pearce não poderiam ser mais do que brilhantes. Sienna construiu uma Edie frágil e absolutamente hipnotizante. Em contrapartida, Guy encarnou um Andy totalmente perturbado e andrógino. Uma parceria perfeita.
Vale à pena conhecer a vida de Edie Sedgwick, conferir o filme e suas deixas à reflexão, especialmente sobre juventude, relacionamentos, abuso e violência doméstica, bulimia e anorexia, auto-flagelação por um corpo perfeito e uso de drogas. É um retrato mais do que fiel, não só da época em que sucederam-se os acontecimentos, como de nosso próprio tempo.






(500) dias com ela - (500) Days of Summer

O título poderia ser tudo menos um indicativo verdadeiro do que o espectador irá encontrar neste filme. Se você predente assistir a algo tipo “Um lugar chamado Notting Hill”, “Uma Linda Mulher” ou “Como se fosse a primeira vez”, talvez sinta-se um pouco enganado.
(500) dias com ela é sim um filme que tem seu argumento inicial baseado no antigo MENINO conhece MENINA. Mas toda e qualquer semelhança com o clássico estilo das comédias românticas consagradas por hollywood acaba aí. É exatamente esse o grande diferencial do filme, a “cereja” no topo do bolo. A escolha do casal protagonista, por si só já é um fator decisivo para a beleza da obra. Zooey Deschanel e Joseph Gordon-Levitt fogem completamente ao estereótipo americano de beleza e ostentação, o que acaba por colaborar com a construção de um casal comum, um casal real.
Seguindo um roteiro incomum, um dos pontos positivos do filme, o espectador acompanha a história não em uma ordem cronológica, mas sim em uma sugestiva mistura de passado e presente. Sua divisão de quadros e narração não-linear dão ao filme um toque sensível e engraçado.
A trilha sonora do filme não poderia passar em branco pois traz The Smiths, Regina Spektor, Black Lips, Simon & Garfunkel, Carla Bruni, entre outros. Vale destacar a graciosa versão de 'Here Comes Your Man', do Pixies, na voz de Meaghan Smith e a ressureição de Hall & Oates, que completam 40 anos de carreira em 2009.
No filme o ator Joseph Gordon-Levitt vive Tom, um criador de cartões comemorativos, em busca do amor de sua vida. No escritório ele conhece a bela Summer, interpretada pela atriz Zooey Deschanel. Conhecendo-se aos poucos, os dois acabam desenvolvendo uma envolvente mas ao mesmo tempo vazia, relação. Apesar de terem o mesmo gosto para música, suas afinidades acabam por aí. Ele acredita no amor, ela não. Ele quer algo sério, ela não quer se amarrar. E por estes caminhos tortuosos eles vão seguindo.
Talvez o que mais marque o enredo seja o fato de que o que acontece com os protagonistas realmente acontece na vida real com muitos casais: a anulação pessoal em função do outro. Justamente por isso podemos dizer que (500) dias com ela é uma espécie de subversivo dentre mauricinhos. Ele dá ao público uma experiência nova, mas ao mesmo tempo parcialmente conhecida. Só pela frase inicial já se tem uma ideia disso: "O filme a seguir é uma história de ficção. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência. Especialmente você Jenny Beckman. Vaca"
Mas o filme não é uma deprê total. Ele apenas conta de uma forma divertida, criativa e inteligente, algo amplamente tachado de convencional. Sua visão absolutamente honesta sobre relacionamentos, amor e paixão oscila entre o trágico e cômico.
Existem vários momentos marcantes no filme mas vou citar apenas 4 que são simplesmente carregados de significados intrínsecos:
1- Após a primeira noite de amor, Tom ao ir para o trabalho, tem um momento HAIR, com direito a coreografias e efeitos especiais, como o literal aparecimento de um “passarinho verde”.
2- Quando depois de romperem, Tom e Summer se reencontram em uma festa oferecida por ela. Aqui o efeito fica por conta de algo estilo Woody Allen, como em NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA. Diferente apenas pelo subterfugio empregado, ao invés de balões como Allen usou, o diretor Marc Webb divide a tela em REALIDADE E EXPECTATIVA, o que proporciona aos espectadores a oportunidade de visualizarmos as duas concomitantemente.
3- Outro momento marcante é quando Tom, em um magnifico surto de lucidez, contesta atrozmente o real papel dos cartões comemorativos na vida das pessoas. Nesta cena você deve prestar muita atenção nas palavras, no discurso.
4- A última, mais nem por isso menos importante cena por mim destacada é o último encontro de Tom e Summer, depois dela já estar casada com outro (sim, porque ela realmente vai casar com outro!). Aqui o espectador deve ficar bem atento ao primoroso diálogo entre os dois personagens, pois em poucos minutos eles resumem soberbamente toda a essência do filme.
Bom, agora só falta você assistir.







Lemon Tree (Etz Limon)

Salma Zidane (Hiam Abbass), uma viúva Palestina, dona de um belo pomar de limoeiros, vê sua plantação ser ameaçada quando seu novo vizinho, o Ministro de Defesa de Israel Navon (Doron Tavory), se muda para a casa ao lado. A Força de Segurança Israelense logo declara que os limoeiros de Salma colocam em risco a segurança do ministro e por isso precisam ser derrubados. Salma leva o caso à Suprema Corte de Israel para tentar salvar a plantação.
Fosse apenas por esta breve descrição o filme valeria.
Mas do que a situação problema que detona toda a crise dramática, são as entrelinhas das ações e mensagens transmitidas pelas personagens o que mais nos seduz nesta produção.
O filme mostra o tempo todo os dois lado na questão do conflito entre palestinos e israelenses. Expostos os dois lados, Lemon Tree nos oferece relações aparentemente impensadas no mundo real: a solidariedade invisível entre Salma Zidane (agricultora palestina) e Mira Navon (Rona Lipaz-Michael), mulher do ministro da defesa de Israel, algo tão intrincado que é capaz de lhes garantir força suficiente para enfrentar as adversidades da vida.
Baseado em fatos reais, o filme do diretor e produtor Eran Riklis (o mesmo de A noiva Síria) evoca o antigo duelo entre a força e razão, evidenciando que nem sempre argumentos e verdades são suficientes para vencer a guerra.
Mesmo sem ter condições financeiras, a viúva palestina vai à procura de Ziad Daud (Ali Suliman), advogado recém-chegado da Rússia, para acionar o ministro de Israel na justiça.
De olho em seu desenvolvimento profissional e prevendo a projeção que o processo proporcionará em termos profissionais, Daud concorda em aceitar a causa, deixando para mais tarde o acerto de contas com a viúva Zidane. O acerto vai além da relação cliente – Advogado e acaba arrastando os dois pelos caminhos de uma paixão proibida pois, de acordo com a tradição palestina não é permitido às viúvas relacionarem-se afetivamente após a morte de seus maridos.
A outra personagem feminina de fundamental importância em toda a trama é Mira Navon (esposa do ministro). Embora tenha se mudado para a nova casa dotada de todo o aparato de conforto e de segurança, leva vida infame, também solitária, como a da vizinha Zidane. Casada com um homem prepotente e ríspido, ela é obrigada a aturar seus desmandos, incluindo a realização de grandes festas, em que traz algumas de suas amantes, até mesmo uma clone israelita da “Carla Bruni” que, acintosamente, o beija na boca na frete da esposa.
Com os conflitos paralelos estabelecidos, a trama segue com uma narrativa simples porém coerente.
Duas cenas são marcantes.
A primeira é quando a viúva Zidane, já tolida dos cuidados de seus limoeiros, enfrenta, em luta corporal, os seguranças do ministro da Defesa, não se intimidando mesmo em atirar por cima da cerca de arame farpado, vários limões para atingi-lo pessoalmente.
A segunda cena ocorre no tribunal da Suprema Corte durante a leitura do veredicto final. Indignada com a sentença, a viúva levanta-se e despeja sobre os juízes toda a carga de razão e injustiça da situação problema.
Vale apena também manter os olhos bem abertos durante as últimas cenas. Embora nenhuma palavra seja dita, a expressão corporal (principalmente os olhares dos atores) transmite entrelinhas fantásticas.
Além desta bela sequencia alegórica final, é no trabalho de orientação dos atores que podemos vislumbrar a excelência da direção de Riklis. Ele consegue com isso extrair do elenco interpretações marcantes, como a de Hiam Abbass, grande atriz que, no papel da viúva Zidane, esbanja competência. Ali Suliman, um dos homens-bomba de Paradise Now, que com Hiam contracena durante todo o filme, tem também bons momentos, como aquele em que diz, para os jornalistas, que a luta de sua cliente “é semelhante à de David contra Golias narrada na Bíblia de vocês!...”
Ao assistir o filme não deixe de reparar: numa das paredes de sua casa há uma foto do charmoso jogador francês que tem o seu sobrenome.
Enfim, Lemon Tree segue uma fórmula simples: um bom roteiro, bom desempenho dos atores, boa direção...
Isto prova que há vida inteligente e criativa além do circuito hollywoodiano!






Total Drama Island -
Ilha dos Desafios
22 adolescentes. Um Verão. Nada em comum. Tudo registrado 24 horas por dia. Não, não é o Big Brother, nem muito menos A Fazenda.
Estou falando de Total Drama Island (no Brasil, Ilha dos Desafios), o primeiro reality show animado da televisão, produzido pela canadense Fresh Tv Inc. em parceria com o Teletoon. Estreou pelas bandas brasileiras em março de 2009.
A proposta inicial do desenho deixa muito “No Limite” no chinelo. Juro, juro, juro!
As regras são basicamente as mesmas da versão vida real: Duas equipes competem para permanecer na ilha, encarando desafios perigosos e mirabolantes. E como não poderia faltar: uma pitada generosa de romance.
O apresentador, que se chama Chris, é um show à parte. Uma verdadeira mistura de comédia e cinismo na dose certa. Como fiel escudeiro e capanga, ele conta com a ajuda de um Cozinheiro-Carrasco-Ajudante, chamado apenas de Chefe Hatchet.
Foram produzidos 26 episódios e um especial que mostra quem se classifica para a segunda temporada.
  1. Não tão Felizes Campistas – Parte 1
  2. Não Tão Felizes Campistas - Parte 2
  3. O Grande Sono
  4. O Jogo Queimado
  5. Não Completamente Famosos
  6. Idiotices Ao Ar Livre
  7. Fator Fobia
  8. Subindo o Riacho
  9. Caçadores de Cervos com Paintball
  10. Se Você Não Aguenta Cozinhar…
  11. Em Quem Você Confia?
  12. Esforço Básico
  13. Tortura X-Trema
  14. Lanche do Desgosto
  15. Sem Dor, Sem Jogo
  16. Procurar e Não Destruir
  17. Esconder e Dedurar
  18. Fora da Correia
  19. Gancho, Linha e Grito
  20. Wawanakwa é Selvagem!
  21. Prova de Triatlo Tri-Braçal
  22. Depois do Cais Da Vergonha
  23. Náufragos do Acampamento
  24. Já Chegamos?
  25. Eu Desafio Triplamente Você!
  26. O Grande e Último Episódio, Realmente!
  27. (ESPECIAL) Deu a Louca na Ilha dos Desafios
Foi o suficiente para o desenho tornar-se sucesso no mundo inteiro.
O Brasil foi o único país que teve dois vencedores: Owen e Gwen. Owen no canal à cabo Cartoon Network e Gwen no Boomerang. (Eu, particularmente, sempre torci pela Gwen desde o começo!)
Mas não fique triste se você não tem TV a Cabo. Algumas fontes na Internet garantem que a Rede Record fez uma parceria com o Cartoon Network e poderá transmitir a série a partir de 2010, no Record Kids.
Confiram!


Curiosamente.....
  • De acordo com o apresentador Chris (Zeca Camargo em Cartoon), todos os personagens têm 16 anos.
  • Existem três formações de equipes: A primeira foi "Robalos Assassinos" e "Esquilos Berrantes". No episódio "Lanche do Desgosto", Garotos X Garotas. E apartir do episódio "Sem Dor, Sem Jogo", o sistema "Cada um por si".
  • No episódio "Esforço Básico", o Chef está dançando a coreografia de Thriller de Michael Jackson.
  • O beep de censura (o famoso piiii), foi usado duas vezes na série. A primeira vez, No episódio "Fora da Correia" Lindsay xinga a Heather de um monte de coisas, onde o beep é usado. E mais uma vez no episódio "Prova de Triatlo Tri-Braçal", quando Owen, em uma mensagem em vídeo no banheiro, fala mal sobre Heather, bem do lado dela, e pede desculpas.
  • Courtney foi a primeira a ter sido eliminada sem ser a mais votada pelos outros participantes, pois acabou sendo vítima de uma armação do Harold.
  • Quando Duncan e Courtney estão assaltando a geladeira no episódio "Esforço Básico", se você prestar atenção, pode se ver a cara de Ezekiel no leite.
  • Na versão americana de "O Grande Sono" Trent diz que sua música favorita se chama "She Will be Loved" isso pode ser uma referência a canção dos Maroon 5.
  • Owen pesa 134 kg.
  • O QI de Izzy é 188, embora não pareça, já que ela está sempre fazendo maluquices.
  • Izzy foi a única que, após ser eliminada, não pegou o Barco dos Perdedores: Na 1ª vez, fugiu da polícia e se escondeu dentro da floresta e na 2ª, jogou uma bombinha e sumiu.
  • Em alguns desafios, Chris usa Chefe Hatchet como dublê.
  • No último episódio vimos um dublê testando um desafio pela primeira vez.
  • Os episódios "Fora da Correia", "Gancho, Linha e Grito", "Depois do Cais da Vergonha" e "Eu Desafio Triplamente Você!" foram os únicos em que houveram eliminações sem as cerimônias da fogueira, sem marshmallow e sem berlinda.
  • O título do episódio Deu a Louca na Ilha dos Desafios (Total Drama Drama Drama Drama Island), faz referência ao filme Deu a Louca no Mundo (It´s a Mad, Mad, Mad, Mad World).
  • Foram entregues 127 marshmallows incluindo o do vencedor.





Gossip Girl: A fofoca está no ar....



Neste momento é impossível falar em seriado de TV sem falar em Gossip Girl. Verdadeira febre entre adolescentes de todo o mundo, Gossip Girl é uma série dramática produzida pelo canal americano The CW (Waner Channel).
Inspirado na coletânea de livros Gossip Girl, da escritora Cecily von Ziegesar, o seriado foi adaptado para TV por nada mais nada menos que Josh Schwartz e Stephanie Savage (dupla de criadores do fabuloso The OC – Um estranho no paraíso).
No ar desde setembro de 2007, a série conta as aventuras e desventuras de jovens estudantes das escolas de elite (Constance Billard - para garotas -, e St. Jude’s - para rapazes), no chiquerrimo Upper East Side, em Manhattan, New York. A história começa quando Serena van der Woodsen (Blake Lively, a Bridget do Filme Quatro amigas em um jeans viajante) retorna à cidade após fugir e ter se mantido fora do alcance de amigos e conhecidos. O grande tchan da série é o seguinte: Os acontecimentos e histórias de cada personagem são narrados por uma anônima (voz de Kristen Bell, a Ellen da série Heroes), que atendendo pelo pseudônimo "Gossip Girl" (Garota Fofoqueira, em tradução livre) é autora do blog homônimo. Mas as confusões só estão no começo. Surpresa com a volta da ex-melhor amiga, Blair Waldorf (Leighton Meester) se contenta excluindo-a socialmente e mantendo distância. O círculo jovem é completado pelo namorado de Blair, Nate Archibald (Chace Crawford) e seu amigo de infância, Chuck Bass (Ed Westwick), além dos irmãos, até então, "apagados" Dan Humphrey (Penn Badgley) e Jenny Humphrey (Taylor Momsen, aquela menininha loirinha de O Grinch), além da ex-namorada de Dan, Vanessa Abrams (Jessica Szohr). Fazendo parte da trama há também o irmão de Serena, Eric (Connor Paolo), sua mãe Lily van der Woodsen (Kelly Rutherford); e Rufus Humphrey (Matthew Settle), separado de sua esposa Alison (Susan Misner), pais de Dan e Jenny. O resultado dessa completa mistura de gêneros, são episódios verdadeiramente hipnotizantes, que deslumbram os espectadores não só pelo estilo de vida suntuoso de seus personagens, mas também pelo fio da narrativa. A fórmula que vem obtendo resultados bastante significativos, seduz também adultos. Graças aos personagens Lily e Rufus, os maiores de 18 também correm para a telinha.
Ficção à parte, a produção do seriado se esmera em cuidados.
A série é gravada em New York, em plano principal. Muitos lugares são conhecidos do público e isso torna os personagens e as ações mais próximas da realidade. Por exemplo: a cena de abertura da série – o retorno de Serena -acontece no Grand Central Terminal, localizado na 15 Vanderbilt Avenue. O Museu da Cidade de Nova York, The Metropolitan Museum of Art, e o The Synod of Bishops servem para as imagens externas da Constance Billard School (Colégio para garotas) e St. Jude's School (Colégio para garotos), ambas as escolas freqüentadas pela maioria dos personagens adolescentes da série.
Todos os nomes dos episódios originais tem como base algum filme, por exemplo "The Sun Also Rises" tornou-se "Serena Also Rises", e por aí vai.
Muitos personagens que aparecem em participações, são retirados dos livros, como Aaron Rose (que na série se envolve com Serena), por exemplo. Mas a ordem em que surgem e são inseridos no seriado não é necessariamente a mesma da coletânea de livros. Isso faz com que alguns personagens sigam as características originais e outros não. A Jenny nos livros é citada como tendo cabelos castanhos e volumosos seios, sendo que na série ela é loira. Já a Vanessa, tinha a cabeça raspada. Pequenos detalhes, modificados, segundo a produção, para obter mais sucesso.
Utilizando desde indie rock, pop-eletro e artistas locais de New York, a trilha sonora de Gossip Girl é uma das mais excepcionais atualmente, contando com aclamados artistas como: Angels & Airwaves, The Kills, The Pierces, Lady GaGa, Pussycat Dolls, Republic Tigers, The Ting Tings, Kings of Leon, Bloc Party, Gotye, Rihanna, Timbaland e OneRepublic. A coletânea OMFGG - Original Music Featured on Gossip Girl nº. 1, foi lançada em Outubro de 2008. Quem ainda não ouviu está cometendo um pecado mortal!!!!
Bom, como você já viu, a série já começou tem um tempinho. O que não quer dizer que você não possa recuperar o que perdeu. Apesar do seriado não ser transmitido no Brasil (isso é um horror!!!), existem muitos sites e blogs na Internet que disponibilizam downloads de episódios já legendados, além de notícias sobre a série (ainda bem que existe Internet, Aleluia!!).
O Ideias de Barbara indica o GG 2009
A novidade da nova temporada, a terceira para ser mais exata, que começou em 14 de setembro, é a participação de Hillary Duff (fazendo um papel de boa moça, como sempre!)
Para você se situar melhor e não perder nadinha desse colosso da TV, caracterizamos cada personagem, situando-os no começo da primeira temporada...
• Serena van der Woodsen (Blake Lively) - é o tipo de garota que todos adoram odiar: linda, alta e loira. É um membro proeminente da sociedade rica de New York. Tem uma amizade tumultuada com Blair e é descrita como sendo irresistível aos homens. Tem um passado selvagem - dominado por festas, bebedeiras e uso de drogas. Possui diversas características, muitas delas conquistadas pouco antes do seu retorno à cidade. O motivo pelo qual fugiu é até então desconhecido, mas em breve será revelado (e vocês nem imaginam qual foi!).
• Blair Waldorf (Leighton Meester) - membro popular da alta sociedade de New York. Queen B., como é chamada, é um tanto perfeccionista por causa de sua mãe, uma famosa estilista do mundo da moda. É uma garota que está sempre competindo com sua, até então, melhor amiga Serena. Tem como inspiração Audrey Hepburn, e seu filme preferido é Bonequinha de Luxo. Arrogante, superficial e inteligente, sonha em entrar na universidade Yale e não mede esforços para conseguir o que quer. Namora Nate e o considera seu príncipe encantado. Sua beleza não se compara à de nenhuma outra dama, assim como o seu veneno.
• Dan Humphrey (Penn Badgley) - Daniel é o garoto "invisível" da escola, nem um pouco popular, mas nutre uma paixão platônica por Serena. É irmão de Jenny, e eles moram com o pai, no Brooklyn, formando o núcleo pobre do seriado (que de pobre, vocês vão ver, não tem nada). Adora escrever, café e história. Pode ser definido como o 'filho dos sonhos'; e embora seja diferente dos colegas de escola, acaba se tornando igual a qualquer outro e se envolvendo em problemas pelos quais nunca imaginou passar, principalmente depois que a Gossip Girl passou a ficar de olho nele, o apelidando de "Garoto Solitário". Teve um relacionamento com Vanessa antes de namorar Serena.
• Jenny Humphrey (Taylor Momsen) - Jenny é irmã mais nova de Dan, com o qual tem uma relação de profunda amizade. Tem 14 anos (1ª temporada), mas desejava aparentar mais, já que sempre achou as garotas do colegial melhores do que ela. Pretendia ficar amiga de Blair para sentir o gostinho da popularidade, mas foi mais além. Por um momento, Jenny a destronou. Na série ela se torna muito amiga de Eric, o irmão de Serena.
• Nate Archibald (Chace Crawford) - bonito, rico, popular e jogador de lacrosse (um esporte tipo Hockey, mas jogado em campo, usando um taco com uma espécie de rede na ponta). Sua mãe é uma socialite e seu pai é um ex-capitão da marinha. Desde sempre, foi namorado de Blair e essa rotina o entedia um pouco, tendo um relacionamento tumultuado. Seu hobby favorito é correr no central park com o seu pai. É confuso, não sabendo o que realmente quer para sí. Seu melhor amigo é Chuck Bass e, por serem filhos únicos, se consideram irmãos. Seu verdadeiro nome é Nathaniel.
• Chuck Bass (Ed Westwick) - como todo grupo de adolescentes ricos, nunca pode faltar alguém como Chuck: um garoto cujas preferências são sexo e álcool. É bilionário, prepotente, egocêntrico, frio e comparado ao diabo pela Gossip Girl. É orfão de mãe e seu pai não lhe dá a mínima atenção, o que acabou por torná-lo muito pouco sentimental. Charles é seu verdadeiro nome. Mas apesar de ser o vilão da trama, será o protagonista da mais bela história de amor do seriado. Sua frase preferida se resume em 4 palavras: "Eu sou Chuck Bass!".
Bom, agora é só correr para o download...

X.O.X.O
Gossip Girl...ops, quer dizer...

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails
 
©2007 '' Por Elke di Barros